Em tempos de Covid-19, usa-se o termo “quarentena”, dia e noite!

Jovem Pan News Joinville

A rede da informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Imprimir

Em tempos de Covid-19, usa-se o termo “quarentena”, dia e noite!

Trânsito da JK (Foto: Gabriele Abatti)

Em tempos de Covid-19 usa-se o termo “quarentena”, dia e noite!  “Toque de recolher” é medida drástica inconstitucional neste momento. Esse termo “toque de recolher” é utilizado em situações de guerra e estado de sítio. 

Nada  impede, todavia,  que por meio de   “quarentena”, devidamente fundamentada, o município determine o isolamento social. Na prática pode ser a mesma coisa para muitos, mas os fundamentos e consequências são completamente distintos. 

Havendo fundamento técnico, portanto, o Ministério Público  fará cumprir todas as medidas de restrição de circulação que tiverem por objetivo evitar a rápida propagação da COVID-19.

No entanto, é importante não confundir os conceitos. “Toque de recolher” é uma medida de restrição geral de circulação de pessoas em espaços e vias públicas, utilizada em situações excepcionais como estado de sítio. Esse tipo de medida é diferente de quarentena, que é medida sanitária, justificada em evidências técnicas, baseada em fatos concretos e em análises sobre as informações estratégicas em saúde, que pode incluir restrição de uso de certos espaços públicos, fundada em razões explicitadas pela autoridade sanitária.

Nesse sentido, o MPSC tem orientação para os Promotores de Justiça no sentido de que a simples proibição genérica de ir e vir pelas cidades (toque de recolher) não é possível.

Por outro lado, havendo fundamentos sanitários, em situações como a atual, é possível que o gestor municipal regulamente a forma de uso e ocupação dos espaços públicos, a fim de evitar a propagação da doença. Essa providência tem sido denominada de “querentena”pela Lei Federal 13.979/20, em seu artigo segundo, inciso II. Tal medida, diferente do que seria o “toque de recolher”, não deve alcançar os deslocamentos em busca por serviços essenciais, conforme disposto no Decreto Federal n. 10.282/2020.

O Código Penal ainda estabelece o crime de Infração de medida sanitária preventiva, consistente em “infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa: Pena: detenção, de um mês a um ano, e multa.

Em outras palavras, o “toque de recolher”, geral e irrestrito, não é possível. Mas a imposição administrativa de restrições de acesso e uso de espaços públicos determinadas com fins de proteção da saúde pública (quarentena) será possível, desde que o ato esteja devidamente motivado, inclusive no tocante à sua abrangência.

A extensão e gravidade das medidas administrativas será determinada em grande parte pela disciplina da população. Por isso, reitera-se a importância de que todos cumpram a sua parte. Então, #fiqueemcasa.

Confira a matéria:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Imprimir
Drogaria Catarinense – Banner Lateral

Notícias Relacionadas

Esportes

Comando da PM fará reunião com torcidas organizadas

O subcomandante da Polícia Militar de Santa Catarina, coronel Marcelo Pontes, fará uma videoconferência com as torcidas organizadas dos clubes …

Ler Mais →
Estado

Casal de idosos é feito refém e vizinhos são baleados em tentativa de assalto

No início da madrugada deste domingo (5), por volta das 0h30, três homens arrombaram uma casa e renderam um homem …

Ler Mais →
Cotidiano

Defesa Civil emite alerta para temporais antes de novo Ciclone em SC

A Defesa Civil emitiu alerta de temporais em Santa Catarina neste domingo (5), a princípio, para municípios que fazem divisa …

Ler Mais →

Facebook JP News