Justiça de Barra Velha mantém interdição de centro de distribuição da Havan

Jovem Pan News Joinville

A rede da informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Imprimir

Justiça de Barra Velha mantém interdição de centro de distribuição da Havan

A 2ª Vara da Comarca de Barra Velha manteve a interdição do centro de distribuição da Havan, instalada no município – que teve as atividades da unidade suspensa por determinação da Vigilância Sanitária da Prefeitura. O auto de infração ocorreu em função das medidas de prevenção e combate à pandemia da Covid-19, conforme o Decreto n. 515, de 17 de março de 2020, editado pelo governador do Estado.

Em um mandado de segurança impetrado na comarca, a Havan pediu a liberação alegando o tamanho da empresa, a importância do referido centro de distribuição para o conglomerado econômico e possíveis repercussões da medida. Pediu, assim, que fosse concedida a liminar para anular o auto de infração derivado daquela interdição.

Quer receber as notícias da Jovem Pan Joinville no seu WhatsApp? Clique aqui.

Ao analisar o pleito nesta sexta-feira (20), o juiz Guy Estevão Berkenbrock destacou que o país está à beira de uma situação de calamidade pública. Conforme observou o magistrado, o presidente da República já requereu que isto seja decretado pelo Congresso, tendo o pleito aprovado na Câmara dos Deputados.

 Na tarde desta sexta, prosseguiu o juiz, o Senado também o aprovou e encaminhou à publicação – PDL 88/20. “Ou seja, a situação é grave e envolve todo o país, que, aliás, não tem histórico de medidas tão graves como as que estão sendo tomadas na atualidade, face nosso passado pacífico, sem participação nas grandes guerras mundiais”, anotou Berkenbrock. A menção à guerra, explicou o magistrado, ocorre porque a situação se aproxima disso, embora o inimigo seja uma doença e não um país/povo estrangeiro.

Segundo manifestou o juiz, a saúde pública deve se sobrepor aos interesses econômicos privados. Em referência à Constituição Federal, ele destacou que a cidadania e a dignidade da pessoa humana vêm antes da livre iniciativa como fundamentos do nosso país.

“Frente a isso, compreendo que, no caso, a concessão da liminar gerará perigo inverso, colocando em risco a vida de todos os que ali trabalham e com eles possuem contato, logo, causará perigo à toda a coletividade”. Por fim, o juiz Guy Estevão Berkenbrock observou que as atividades da empresa impetrante na filial local e objeto do presente pleito não estão abrangidas nas exceções do Decreto 515/2020, o que mostra não haver direito líquido e certo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Imprimir
Drogaria Catarinense – Banner Lateral

Notícias Relacionadas

Coronavírus

Coronavírus: SC confirma 36.810 casos e 432 mortes por Covid-19

Em boletim nesta quarta-feira (08), o Governo de Santa Catarina confirma mais 1.467 novos casos de coronavírus, chegando ao total …

Ler Mais →
Cotidiano

ADEJ fará Drive Thru de Caldo de Peixe para almoço neste sábado (11)

A Associação dos Deficientes Físicos de Joinville (ADEJ) irá realizar neste sábado (11) uma Ação Social para arrecadação de recursos …

Ler Mais →
Coronavírus

Joinville em alerta: taxa de ocupação dos leitos de UTI chega a 78%

Em boletim epidemiológico nesta quarta-feira (08), a Secretaria da Saúde de Joinville confirmou que dos 91 leitos de UTI exclusivos …

Ler Mais →

Facebook JP News